quarta-feira, 25 de maio de 2016

14. 1990 O GOLPE NA NOVA DEMOCRACIA - O REGIME DE EXCEÇÃO,




Um golpe em que as garantias individuais e sociais eram restritas, ou mesmo ignoradas, e cuja finalidade era garantir os interesses da ditadura, internalizados em conceitos como segurança nacional, restrição das garantias fundamentais etc, fez crescer, durante o processo de abertura política, o anseio por dotar o Brasil de uma nova Constituição, defensora dos valores democráticos. Anseio que se tornou necessidade após o fim da ditadura militar e a redemocratização do Brasil, a partir de 1985.Independentemente das controvérsias de cunho político, a Constituição Federal de 1988 assegurou diversas garantias constitucionais, com o objetivo de dar maior efetividade aos direitos fundamentais, permitindo a participação do Poder Judiciário sempre que houver lesão ou ameaça de lesão a direitos. Para demonstrar a mudança que estava havendo no sistema governamental brasileiro, que saíra de um regime autoritário recentemente, a constituição de 1988 qualificou como crimes inafiançáveis a tortura e as ações armadas contra o estado democrático e a ordem constitucional, criando assim dispositivos constitucionais para bloquear golpes de qualquer natureza.Com a nova constituição, o direito maior de um cidadão que vive em uma democracia representativa foi conquistado: foi determinada a eleição direta para os cargos de Presidente da República, Governador do Estado e do Distrito Federal,Prefeito, Deputado Federal, Estadual e Distrital, Senador e Vereador.A nova Constituição também previu maior responsabilidade fiscal


Pela primeira vez, uma Constituição brasileira define afunção social da propriedade privada urbana, prevendo a existência de instrumentos urbanísticos que, interferindo no direito de propriedade (que a partir de agora não mais seria considerado inviolável), teriam por objetivo romper com a lógica daespeculação imobiliária. A definição e regulamentação de tais instrumentos, porém, deu-se apenas com a outorga do Estatuto da Cidade em 2001

13. 1988 A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE



Promulgada em 5 de outubro de 1988, é a lei fundamental e suprema do Brasil, servindo de parâmetro de validade a todas as demais espécies normativas, situando-se no topo do ordenamento jurídico. Pode ser considerada a sétima ou a oitava constituição do Brasil (dependendo de se considerar ou não a Emenda Constitucional nº 1 como um texto constitucional ) e a sexta ou sétima constituição brasileira em um século de república.Foi a constituição brasileira que mais sofreu emendas: 93, sendo 87 emendas constitucionais] e seis emendas constitucionais de revisão.

12.1985 UM ACORDO EM COMUM TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA DE NOSSO PAIS : -


O regime militar durou até 1985, quando Tancredo Neves do MDB ( Movimento Democrático Brasileiro ), foi eleito,indiretamente, o primeiro presidente civil desde 1964. Movimento Democrático Brasileiro (MDB) era um partido político brasileiro que abrigou os opositores do Regime Militar de 1964 ante o poderio governista da Aliança Renovadora Nacional (ARENA). Organizado em fins de 1965 e fundado no ano seguinte, o partido se caracterizou por sua multiplicidade ideológica graças sobretudo aos embates entre os "autênticos" e "moderados" quanto aos rumos a seguir no enfrentamento ao poder militar. Inicialmente raquítico em seu desempenho eleitoral, experimentou grande crescimento no governo de Ernesto Geisel obrigando os militares a extinguirem o bipartidarismo e assim surgiu o Partido do Movimento Democrático Brasileiro em 1980.Com o fim do bipartidarismo, as inúmeras correntes que formavam o MDB fundaram legendas como o PT e PDT, e outras que vieram mais tarde desde os anos oitenta. Em 1988, uma cisão no PMDB deu origem ao PSDB, formado pela ala então social-democrata e os intelectuais do partido ligados ao ex-governador paulista Franco Montoro.

11. 1969 O DECIMO GOLPE UM ATO INSTITUCIONAL NÚMERO DOZE, OU AI-12,

Foi baixado pela Junta militar brasileira composta pelos ministros da Marinha,Augusto Rademaker, do Exército, Aurélio de Lira Tavares e da Aeronáutica Márcio de Sousa e Melo em 1 de Setembro de 1969.Este ato institucional informava à Nação brasileira o afastamento do Presidente Costa e Silva, devido à sua enfermidade, portanto, assumiram o controle do Governo do Brasil, os Ministros militares, impedindo a posse do vice-presidente, Pedro Aleixo, afastado por sua intenção de restabelecer o processo democrático.

10. 1964 0 NONO MAIOR GOLPE DE ESTADO NO BRASIL

Um período que designa o conjunto de eventos ocorridos em 31 DE MARÇO DE 1964  no Brasil , que culminaram, no dia 1º de Abril e 1964, com um Golpe Militar que encerrou o governo do presidente democraticamente eleito João Goulart,também conhecido como Jango.

Os militantes brasileiros da DIREITA favoráveis ao golpe e, em geral, os defensores do regime FASCISTA  instaurado em 1964 costumam designá-lo como "Revolução de 1964" ou "Contrarrevolução de 1964". Todos os cinco presidentes militares que se sucederam desde então declararam-se herdeiros e continuadores da Revolução de 1964.Já a HISTORIAGRAFIA brasileira recente defende a ideia de que o golpe, assim como a ditadura que se segui , não deve ser considerado como exclusivamente militar, sendo, em realidade, civil-militar. 

Segundo vários historiadores, houve apoio ao golpe por parte de segmentos importantes da sociedade :

  •  os grandes proprietários rurais, 
  • a burguesia industrial paulista,
  • uma grande parte das classes médias urbanas (que na época girava em torno de 35% da população total do país) 
  • o setor conservador e anticomunista da Igreja Católica de extrema Direita  (na época majoritário dentro da Igreja) que promoveu a Marcha da Familia com Deus pela Liberdade , realizada poucos dias antes do golpe, em  19 de março de 1964.
  • Jango havia sido democraticamente eleito vice presidente  pelo PTB- Partido Trabalhista Brasileiro  – na mesma eleição que conduziu Janio da Silva Quadros, do PTN- Partido Trabalhista Nacional , à presidência, apoiado pela UDN- União Democrática Nacional . 
O golpe estabeleceu um regime autoritário e nacionalista , politicamente alinhado aos Estados Unidos , e marcou o início de um período de profundas modificações na organização política do país, bem como na vida econômica e social.

  • Quem não conhece a verdade não passa de um tolo; mas quem a conhece e a chama de mentira é um criminoso !

Há 50 anos, no dia 31 de março de 1964, algo aconteceu no Brasil, que alterou a evolução e os rumos dos acontecimentos que antecederam essa data, e determinou muitos acontecimentos, os rumos do povo brasileiro e o futuro do país.Esse movimento ideológico, político, social e militar, passou a ser denominado por alguns como Revolução, e por outros como Golpe, de acordo com suas convicções, interpretações e, obviamente, interesses.

Em minha opinião, esse movimento não foi nem uma Revolução, e nem um Golpe, em minha opinião, foi um Contragolpe. Essa é a tese que exponho e defendo, e que compartilho com todos aqueles que querem realmente conhecer a verdade dos fatos, independente de suas crenças e convicções.Meu objetivo através dessa tese, não é convencer e mudar o pensamento dos que, por falta de pesquisar e estudar livremente, e refletir de forma honesta e racional, sobre os acontecimentos de 1964, aceitaram e aceitam, como verdade absoluta, o Movimento de 1964 como um Golpe.Também não pretendo convencer e mudar o pensamento daqueles que, por alinhamento ideológico, ou qualquer tipo de interesse ou dependência, afirmam que 1964 foi um Golpe.

OBJETIVO DO TRABALHO DE ORIENTAÇÃO E EXPLICAÇÃO

Meu único objetivo é possibilitar, que aqueles que foram ensinados e doutrinados por seus professores, parentes, amigos ou pela mídia, que o Movimento de 1964 foi um Golpe desfechado pelos bandidos contra os mocinhos, possam receber informações exatas e objetivas e, com esse novo conhecimento, poder traçar o rumo de suas vidas e, quem sabe, de seu país.Para facilitar a leitura e melhorar a compreensão do texto, vou dividi-lo em tópicos numerados. 

01. Para entender os fatos históricos e nos aproximar o mais possível da realidade, temos que interpretar os fatos sem paixões de ordem filosófica, religiosa ou ideológica. E, o mais importante, estudar os fatos o mais próximo possível do contexto da época em que os fatos aconteceram.

02. É importante também, analisar um fato (nesse caso, o denominado Golpe), compreendendo que esse fato está, obviamente, ligado aos fatos que o antecederam e produziram, e que este fato, provocou outros acontecimentos ou fatos que lhe sucederam. E temos que realizar essa análise de forma objetiva, ou seja, focando, compreendendo e julgando o fato em questão, e só nele.

03. Dessa forma, milhões de pessoas no Brasil tem sido ensinadas e doutrinadas durante décadas, a aceitarem como verdade absoluta, que o que aconteceu em 31 de março de 1964 no Brasil foi um Golpe Militar desfechado contra inocentes idealistas, que sonhavam com um mundo justo, livre e igualitário, e que em seguida a esse Golpe, os militares fascistas instalaram uma sanguinária ditadura no país, matando e torturando pessoas que amavam sua pátria, suas famílias e o povo brasileiro, e ponto final. Por conveniência de alguns, dois acontecimentos se tornaram um só: o Golpe de 31 de Março e a Ditadura que se seguiu. 

04. Não foi bem assim… então, o que realmente aconteceu em 31 de março de 1964 ?


05. Para que você entenda exatamente o que aconteceu em 1964 no Brasil, você tem que saber um pouco de História. Tem que saber que em 21 de Fevereiro de 1848 Karl Marx e Engels desenvolveram uma tese onde interpretaram o mundo e a vida, resumidamente, como uma luta de classes sociais, onde os mais fortes e poderosos escravizavam e exploravam os mais fracos (mais ou menos como o ensinado por Charles Darwin). Marx e Engels então chegaram a conclusão que uma dessas classes era a que produzia os bens e que, portanto, essa classe é quem deveria reinar absoluta, não seus exploradores. Claro que Marx e Engels não acreditavam numa cooperação e integração entre as classes.

06. Desse pensamento e doutrina materialista, pois entendia o ser humano apenas como um animal, foram se desenvolvendo muitas teses e discussões, de como fazer com que essa classe produtora (proletária) tomasse o poder. A conclusão foi de que isso só se daria com ações violentas de tomada do poder, e o controle absoluto de todos os seres humanos, sobre o que foi denominado como Ditadura do Proletariado. Como toda ditadura, o Estado está acima de tudo, determina e pode tudo, decide a vida dos cidadãos, as leis, a economia, e tudo mais. Numa ditadura, tanto de esquerda quanto de direita, não existem garantias e liberdades individuais.

07. Agora, vamos resumir os fatos, e chegar em 1964.

08. Em 1917 aconteceu a Revolução Russa, que assassinou e exterminou brutalmente a família Romanov, e implantou uma ditadura com Lênin como Deus e Trotsky e Stálin como papas vermelhos. Quem quiser saber o que foi realmente o Comunismo pesquise e estude na Internet ou faça download na Internet do Livro Negro do Comunismo, entre muitos outros. A partir desse momento (1917), os comunistas de Moscou desenvolveram um plano para a conquista do Mundo através da implantação do Comunismo em todos os países, e toda uma estratégia foi desenvolvida para essa conquista.

09. Vamos dar um pulo nessa nossa máquina do tempo. Em 1922 foi criado no Brasil o Partido Comunista. Em 1935 os comunistas brasileiros tentaram dar um Golpe para transformar o Brasil num país comunista, mas falharam.

10. Até 1937 os comunistas estavam na legalidade, então em 10 de novembro de 1937 Getúlio Vargas deu um Golpe e implantou no país uma ditadura que foi denominada Estado Novo.


11. De 1939 a 1945 aconteceu a II Guerra Mundial, onde muitos militares brasileiros morreram defendendo a Democracia e a Liberdade contra as ditaduras de Hitler e Mussolini. Enquanto os militares brasileiros morriam defendendo valores cristãos e outros seres humanos, no Brasil os comunistas desenvolviam novas estratégias para a conquista do poder e para implantar sua tão sonhada ditadura soviética, para transformar o Brasil num satélite da matriz e de seu paraíso ideológico, a Rússia.


12. Novos termos e novas estratégias foram adotadas… Luta Democrática, Socialismo, Esquerda, Frente Ampla, Aliança de Libertação Nacional, e muitos outros termos para aglutinar idealistas ingênuos e mal informados, para conquistar o poder, e daí sim, extinguir todos os partidos, a Democracia, a liberdade de expressão e implantar a denominada Ditadura do Proletariado.


13. A Rússia, na Europa, com o avanço e sacrifício heroico de seus soldados durante a II Guerra Mundial chegaram até Berlin e se aproveitou do avanço de seus soldados e de suas conquistas para dominar os territórios ocupados. Encerrada a guerra em 1945, literalmente dividiram o Mundo ao meio. Dois blocos se formaram. Um foi denominado Capitalista e o outro foi denominado Socialista.


14. Esses dois blocos iniciaram então uma corrida armamentista, econômica, tecnológica, científica, ideológica, política, e social e, cada bloco ao seu modo, e cada um com seus objetivos, princípios e interesses resolveram conquistar o Mundo. A isso se deu o nome de Guerra Fria.


15. Em 1 de janeiro de 1959 sob a liderança de Fidel Castro e Che Guevara um grupo de guerrilheiros (Movimento 26 de julho) deu um Golpe na Ditadura de Fulgencio Batista, que tinha transformado Cuba no prostíbulo dos Estados Unidos.


16. Fidel Castro estava, nos primeiros momentos da revolução cubana, indeciso e relutante, não sabia para que lado político e ideológico deveria se alinhar. Por total falta de inteligência do governo americano, que também vacilou, o jovem Fidel acabou sentando no colo de Nikita Khrushchev que o adulou e bajulou como a um herói, e a pequena ilha de Cuba virou um satélite de Moscou, bem no quintal dos americanos. 


17. Em 1962 o Mundo quase foi destruído por uma Guerra Nuclear, pois Cuba tinha instalado na ilha mísseis balísticos intercontinentais soviéticos. Um avião U2 dos Estados Unidos fotografou os mísseis e o presidente John Fitzgerald Kennedy ordenou o bloqueio naval de Cuba e a retirada dos mísseis. A Rússia recuou, e o Mundo respirou aliviado. O presidente Kennedy logo em seguida foi assassinado. 


18. No início da década de 1960, a Rússia e seu satélite Cuba treinavam e exportavam guerrilheiros e terroristas para o mundo todo. Guerrilheiros e terroristas treinados em Cuba, na Rússia e na China, atuaram matando e destruindo em toda a década de 1970.

19. O Brasil não ficou fora desse esquema. Guerrilheiros e terroristas brasileiros foram treinados em Cuba, muito antes de 31 de Março de 1964, com o objetivo de virem para o Brasil para realizar uma revolução, e implantar no país uma Ditadura Comunista.

20. Em 1961 foi eleito no Brasil um presidente populista que prometia varrer a corrupção do país, seu nome era Jânio Quadros, que substituiu outro populista, Juscelino Kubitschek, o presidente dos Anos Dourados no Brasil. 

Acontece que Jânio Quadros era alcóolatra, ou seja, tomava todas, e o normal era estar bêbado. Em um desses porres homéricos renunciou ao cargo de presidente do Brasil. Claro que aceitaram sua renúncia, o enfiaram num avião e o Brasil, de uma hora para outra, ficou sem presidente.

21. O vice presidente de Jânio, era um bom gaúcho e bom brasileiro de nome João Goulart. Quando Jânio renunciou, Jango (era assim que era chamado) estava visitando a China comunista.

22. Jango nessa ocasião já estava envolvido com militantes comunistas e os militares brasileiros foram contra a posse de Jango como presidente, mas acabaram tendo que respeitara a Constituição do Brasil e Jango tomou posse.

23. Qual era então a situação que antecedeu o Movimento de 31 de Março?

24. Bem antes de 1964, seguindo a cartilha de guerra revolucionária, militantes comunistas infiltrados nos mais diversos setores, produziam o caos no país. Técnicas maquiavélicas de dividir o povo para tomar o poder, e a técnica do quanto pior melhor, eram aplicadas no Brasil. As greves políticas paralisavam tudo: transportes, escolas, bancos, hospitais, escolas e faculdades. O povo enfrentava filas enormes para a compra de alimentos. O governo apoiava e incentivava a indisciplina nas Forças Armadas. 

25. O governo João Goulart, pressionado por comunistas, queria implantar as denominadas Reformas de Base no país, sem consultar e sem serem aprovadas pelo Congresso Nacional. Foi cogitado pelo governo de Jango, fechar o Congresso Nacional, por meio de força e com o apoio dos militares denominados pelos comunistas como legalistas.

26. Os principais jornais diariamente eram unânimes em condenar o governo João Goulart e pediam sua renúncia para salvar a Democracia. Alguns jornalistas, como Carlos Lacerda, combatiam duramente o governo João Goulart. Muitos governadores de Estados também combatiam Jango.

27. A imensa maioria do povo brasileiro apelava desesperadamente para que os militares fizessem uma intervenção e evitasse que o Brasil se tornasse mais um país comunista. O povo foi às ruas com as Marchas da Família com Deus pela Liberdade, no Rio, São Paulo e muitas outras cidades do país. Todos pediam o fim do governo João Goulart, antes que fosse tarde demais.

28. Na verdade, tudo fazia parte de um plano comunista de tomada do poder através de uma revolução armada, seguindo o modelo de Cuba. Desde 1961, ainda no governo Jânio Quadros, os comunistas Jover Telles, Francisco Julião e Clodomir dos Santos Morais estavam em Cuba acertando cursos de guerrilha e o envio de armas para o Brasil. 

Outros comunistas já realizavam cursos de guerrilha, sabotagem e terrorismo em Cuba e na China. E a área do Araguaia já estava escolhida pelo PC do B para implantar a guerrilha rural no Brasil. Essas informações fatos e evidências começaram a se tornar claras para as Forças Armadas, como por exemplo, a prisão em 4 de dezembro de 1962 (governo João Goulart) de militantes comunistas brasileiros que já estavam em treinamento em campos de guerrilha em Dianópolis, Goiás. Esses guerrilheiros faziam parte das denominadas Ligas Camponesas, lideradas por Francisco Julião, e eram uma espécie de MST dos dias atuais.


29. Pressionado de forma intensa pelos comunistas, que queriam a qualquer preço dar um Golpe político, ideológico, social e militar na Democracia e República brasileira, o presidente João Goulart cometeu diversos erros de interpretação e análise da situação. Num fatídico discurso na Central do Brasil no Rio de Janeiro no dia 13 de março, deixou mais que evidente que apoiava o Golpe comunista que estava sendo planejado e organizado para a tomada do poder no Brasil. E então aconteceu o que denomino de SINGULARIDADE DE RUPTURA, onde o presidente João Goulart, através de seu apoio e de sua presença junto a sargentos do exército e marinheiros rebelados, os incentivou a quebrar a disciplina e hierarquia dentro das Forças Armadas, fazendo com que os militares brasileiros saíssem de sua imobilidade disciplinar e constitucional. Os militares brasileiros tiveram que sair de cima do muro e escolherem um dos lados dessa polarização numa situação real de possível guerra civil pré-revolucionária comunista.


30. Os militares brasileiros, que tinham sua formação militar dentro de um alinhamento geopolítico, ideológico, filosófico e até mesmo religioso (princípios cristãos) de um mundo ocidental, que acabava de dar seu suor e sangue na luta contra as ditaduras na Europa (Hitler e Mussolini), e que acompanhavam e sabiam o que eram as ditaduras assassinas, materialistas e comunistas implantadas nos países europeus e em Cuba, não vacilaram, e através da comunicação e entrosamento através dos diversos comandos militares espalhados no país, decidiram que era hora de dar um Basta a situação caótica em que o Brasil se encontrava. Foi assim que, tomando a iniciativa, o Gal. Olympio de Mourão Filho, sai de Juiz de Fora em minas gerais, colocou seus tanques de guerra na estrada e seguiu em direção ao Rio de Janeiro para depor o governo de João Goulart. O presidente João Goulart deslocou-se para o Rio Grande do Sul, e ficou em sua decisão reagir ou não aos militares. Mas não reagiu. Para evitar uma guerra civil, e ciente da vontade determinada, corajosa e irreversível da esmagadora maioria do povo brasileiro, que não aceitava mais o caos no país, e que o Brasil e os brasileiros se transformassem em escravos de ditaduras comunistas, o presidente João Goulart abandonou o governo e seguiu em direção ao Uruguai. Dentro desses fatos históricos, amplamente registrados por jornais, revistas, registros, e depoimentos de testemunhas que viveram todos aqueles dias, podemos concluir, de forma absolutamente honesta e livre de qualquer sentimento ou alinhamento político, que no dia 31 de março de 1964 no Brasil, não ocorreu um Golpe como defendem alguns, e nem uma Revolução como defendem outros, mas sim aconteceu um Contragolpe a tentativa de Golpe que estava sendo preparado e já sendo executado por comunistas brasileiros sob as ordens das ditaduras comunistas da Rússia, China e Cuba. Então, 31 de março de 1964 não foi um Golpe ou Revolução, foi na verdade um Contragolpe. Após 31 de março de 1964, os militantes comunistas que viram seus planos frustrados no Brasil desencadearam através de ações de guerrilha e terrorismo, como por exemplo, o atentado ao aeroporto de Guararapes, em Recife, em 1966, a bomba no Quartel General do Exército em São Paulo, em 1968, o atentado contra o Consulado Americano; o assassinato do industrial dinamarquês Henning Albert Boilesen e do capitão do Exército dos Estados Unidos Charles Rodney Chandler, inúmeros assaltos a bancos, o sequestro de embaixadores estrangeiros no Brasil, e assassinatos de inexperientes recrutas em ataques a quartéis. 


Os militares reagiram e, a partir de 1968 implantou-se no país a denominada Luta Armada, onde os dois lados, erraram, mataram, sequestraram e torturaram.Nenhuma ditadura ou guerra é justa ou santa. Guerra é guerra. Não existem mocinhos e bandidos. Toda ditadura e toda guerra é suja e desumana. É uma outra realidade, e só soldados e guerreiros verdadeiros sabem disso.Hoje, 50 anos após o 31 de março de 1964, o que constato é que aqueles que pensavam como Marx, e queriam governar como Stálin, vivem hoje como Rockfeller. Vejo que aqueles que há 50 anos, em nome de uma falsa ideologia que pregava a igualdade e a liberdade e queriam mudar o mundo, hoje apoiam a ditadura castro comunista que assassina, sequestra e tortura os jovens estudantes e o povo na Venezuela. Vejo essa escória moral roubar, corromper e entregar o Brasil ao Comunismo e ao Sistema Financeiro internacional apátrida. Vejo esses maus brasileiros transformarem o Brasil numa ditadura maquiada. Vejo os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, assim como os meios de Comunicação sob o total controle de uma quadrilha, que usando da mentira, da corrupção, e da vaidade humana, dominaram a República para a saquear e destruir.Nesses dias que se aproximam dos 50 anos de um fato que impediu que o Brasil fosse transformado numa ditadura comunista, eu reflito se o povo brasileiro sairá para as ruas reivindicando novamente a intervenção da Forças Armadas.


As Forças Armadas não irão intervir para evitar uma Ditadura Comunista, pois já aceitaram a implantação no Brasil de uma Ditadura Comunista, que já dominou o país através de novas estratégias tendo controle absoluto do Executivo, Legislativo e Judiciário.As Forças Armadas não irão intervir, porque nas veias de nossos generais não corre mais o sangue do nacionalismo e amor à Pátria, pois são veias entupidas pelo veneno do ressentimento da ingratidão e da falta de reconhecimento do povo brasileiro, que passou décadas cuspindo em seus rostos e os chamando de golpistas. O povo brasileiro está entregue a sua própria sorte e deve decidir seu destino e o destino de seus filhos e netos. Mais que decidir o que queremos, temos que decidir o que não queremos mais no Brasil, o que não mais admitimos e aceitamos.Esse é o ponto.Os espaços que foram usurpados do povo devem ser ocupados, pacificamente se possível, pela força, se necessário. Quem está no poder não vai abrir mão dele. Não se iludam.O povo deve ir para as ruas, ocupar todos os lugares que foram ocupados pela ralé moral da nação para roubar e destruir a República.As Forças Armadas, se necessário for, na hora certa, tomará uma posição e direção. Fez isso em 1964 e fará novamente se achar necessário.Mas o nosso destino sempre está e sempre estará em nossas próprias mãos.


E que Deus possa iluminar a todos.




09. 1938 O OITAVO GOLPE ( AIB)


Getúlio Vargas, desde a fundação da Ação Integralista Brasileira (AIB), tivera seu apoio, tendo em vista que seu principal líder,Plínio Salgado, almejava o cargo de ministro da Educação (segundo suspeita do próprio presidente, para influenciar a juventude). Mesmo assim, após a criação do Estado Novo, embora tivesse prometido, na presença do Ministro da Guerra Eurico Gaspar Dutra, ao chefe integralista Plínio Salgado, grande espaço de atuação para a ideologia integralista, Vargas decretou o fechamento de todos os partidos políticos nacionais, incluindo a AIB. A insatisfação dos integralistas materializou-se em dois levantes, ocorridos no intervalo de 60 dias.O primeiro aconteceu em 11 de março de 1938 e envolveu a tentativa de tomada dos 3º BI (à época situado em Botafogo, no Rio de Janeiro) e 5º BI (Centro do Rio de Janeiro), neste último caso, com a participação do oficial de dia do batalhão, além da tentativa de sublevação do CFN. A atuação do Comandante da Polícia Militar do Distrito Federal, Coronel Mário José Pinto Guedes, reagindo ao golpe foi decisiva: graças à ação da PMDF, em trabalho conjunto com os serviços de Inteligência (SNI), do Exército (SNI - Terra) e Marinha (SNI - Mar), em poucas horas a rebelião foi debelada, e os principais líderes foram presos

8. SÉTIMO GOLPE DO ESTADO NOVO, OU TERCEIRA REPÚBLICA BRASILEIRA,


Foi o regime político brasileiro fundado por Getúlio Vargas em 10 de novembro de 1937, que vigorou até 29 de outubro de 1945. Era caracterizado pela centralização do poder,nacionalismo, anticomunismo e por seu autoritarismo. É parte do período da história do Brasil conhecido como Era Vargas.Em 10 de novembro de 1937, através de um golpe de estado, Vargas instituiu o Estado Novo em um pronunciamento em rede de rádio, no qual lançou um Manifesto à nação, no qual dizia que o regime tinha como objetivo "reajustar o organismo político às necessidades econômicas do país".Após a Constituição de 1937,[2] Vargas consolidou seu poder. O governo implementava a censura à imprensa e apropaganda era coordenada pelo Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP). Também houve forte repressão ao comunismo, amparada pela "Lei de Segurança Nacional", que impediu movimentos revolucionários, como aIntentona Comunista de 1935, durante todo o período.

7. 1935 O SEXTO GOLPE INTENTONA COMUNISTA,


Conhecido também conhecida como Revolta Vermelha de 35 Revolta Comunista de 35]Levante Comunista e Levantes Anti-Fascistas , foi uma tentativa de golpe contra o governo de Getúlio Vargas realizado em novembro de 1935 por militares, em nome da Aliança Nacional Libertadora, com apoio do PCB e do Comintern.

6. O QUINTO GOLPE REVOLUÇÃO DE 1930


Foi o movimento armado, liderado pelos estados de Minas Gerais, Paraíba e Rio Grande do Sul, que culminou com o golpe de Estado, o Golpe de 1930, que depôs o presidente da república Washington Luís em 24 de outubro de 1930, impediu a posse do presidente eleito Júlio Prestes e pôs fim à República Velha.Com a quebra da Bolsa de Nova Iorque ocorrida em outubro de 1929, inicia-se uma crise econômica de escala mundial, esmagando todas as economias com alguma participação nos mercados internacionais, caso do Brasil e suas exportações de café. Em 1929, lideranças da oligarquia paulistana romperam a aliança com os mineiros, conhecida como política do café-com-leite, e indicaram o paulista Júlio Prestes como candidato à presidência da República. Em reação, o Governador de Minas Gerais, Antônio Carlos Ribeiro de Andrada apoiou a candidatura oposicionista do gaúcho Getúlio Vargas.Em 1 de março de 1930, foram realizadas as eleições para presidente da República que deram a vitória ao candidato governista, que era o governador do estado de São Paulo, Júlio Prestes. Porém, ele não tomou posse, em virtude do golpe de estado desencadeado a 3 de outubro de 1930, e foi exilado. Getúlio Vargas assumiu a chefia do "Governo Provisório" em 3 de novembro de 1930, data que marca o fim da República Velha no Brasil.[2]

5. 1891 O QUARTO GOLPE DE TRÊS DE NOVEMBRO


Foi como ficou conhecido na história do Brasil, o golpe do então presidente, marechal Deodoro da Fonseca, quando este dissolveu o Congresso Nacional no dia 3 de novembro de 1891. Nesta data, o presidente assinou dois decretos, um dissolvendo o congresso e o outro decreto instaurava oestado de sítio, pelo qual ficavam suspensas todas as disposições da nova constituição republicana relativas aos direitos individuais e políticos. A partir daquele momento, qualquer pessoa poderia ser presa sem direito ahabeas corpus ou defesa prévia.Neste mesmo dia, o Exército do Brasil cercou a Câmara e o Senado, prendendo opositores e alguns ex-aliados de Deodoro, como Quintino Bocaiúva.Este golpe é considerado um dos estopins da Revolução Federalista.

4. O TERCEIRO GOLPE APLICADO NO PAIS PELA CLASSE DE FIDALGOS EM 15/11/1889.


A Proclamação da República apresentou as características clássicas dos golpes de Estado: a ilegalidade e a ruptura da ordem constitucional A Proclamação da República Brasileira foi um levante político-militar ocorrido em 15 de novembro de 1889 que instaurou a forma republicana federativa presidencialista do governo no Brasil, derrubando a monarquia constitucionalparlamentarista do Império do Brasil e, por conseguinte, pondo fim à soberania do imperador D. Pedro II. Foi, então, proclamada a República do Brasil.A proclamação ocorreu na Praça da Aclamação (atual Praça da República), na cidade do Rio de Janeiro, então capital do Império do Brasil, quando um grupo de militares do exército brasileiro, liderados pelo marechal Manuel Deodoro da Fonseca, destituiu o imperador e assumiu o poder no país.Foi instituído, naquele mesmo dia 15, um governo provisório republicano. Faziam parte, desse governo, organizado na noite de 15 de novembro de 1889, o marechal Deodoro da Fonseca como presidente da república e chefe do Governo Provisório; o marechal Floriano Peixoto como vice-presidente; como ministros, Benjamin Constant Botelho de Magalhães, Quintino Bocaiuva, Rui Barbosa, Campos Sales, Aristides Lobo, Demétrio Ribeiro e o almirante Eduardo Wandenkolk, todos membros regulares da maçonaria brasileira.



Proclamação da República, quadro de Benedito Calixto






3. 1888 O PRIMEIRO ATO DEMOCRÁTICO DE NOSSO PAIS EM 13/05/1888

Lei Áurea, oficialmente Lei Imperial n.º 3.353, sancionada em 13 de maio de 1888, foi o diploma legal que extinguiu a escravidão no Brasil. Foi precedida pela lei n.º 2.040 (Lei do Ventre Livre), de 28 de setembro de 1871, que libertou todas as crianças nascidas de pais escravos, e pela lei n.º 3.270 (Lei Saraiva-Cotegipe), de 28 de setembro de 1885, que regulava "a extinção gradual do elemento servil".


O processo de abolição da escravatura no Brasil foi gradual e começou com a Lei Eusébio de Queirós de 1850, seguida pela Lei do Ventre Livre de 1871, a Lei dos Sexagenários de 1885 e finalizada pela Lei Áurea em 1888.[2]O projeto de lei que extinguia a escravidão no Brasil foi apresentado à Câmara Geral, atual Câmara do Deputados, pelo ministro da Agricultura da época, Rodrigo Augusto da Silva, em 8 de maio de 1888. Foi votado e aprovada nos dias 9 e 10 de maio, na Câmara Geral.


A Lei Áurea foi apresentada formalmente ao Senado Imperial por Rodrigo Augusto da Silva em 11 de maio. Foi debatida nas sessões dos dias 11, 12 e 13 daquele mês. Foi votada e aprovada, em primeira votação em 12 de maio. Foi votada e aprovada em definitivo, um pouco antes das treze horas, no dia 13 de maio de 1888, e, no mesmo dia, levada à sanção da princesa regente do Brasil Dona Isabel. No domingo de 13 de maio, dia comemorativo do nascimento de D. João VI, foi assinada por sua bisneta Dona Isabel, e Rodrigo Augusto da Silva a lei que aboliu a escravatura no Brasil. O Conselheiro Augusto da Silva fazia parte do Gabinete de Ministros presidido por João Alfredo Correia de Oliveira, do Partido Conservador e chamado de "Gabinete de 10 de março". Dona Isabel sancionou a Lei Áurea, na sua terceira e última regência, estando o Imperador D. Pedro II em viagem ao exterior. Foi assinada no Paço Imperial por Dona Isabel e por Rodrigo Augusto da Silva às três horas da tarde do dia 13 de maio de 1888.


O Brasil foi o último país independente do continente americano a abolir completamente a escravatura. O último país do mundo a abolir a escravidão foi a Mauritânia, somente em 9 de novembro de 1981, pelo decreto n.º 81.234.

Lei Áurea.jpg






2. 1840 O SEGUNDO GOLPE DA DECLARAÇÃO DA MAIORIDADE

D. Pedro II, também referida em História do Brasil como Golpe da Maioridade, ocorreu em 23 de julho de 1840 com o apoio do Partido Liberal, e pôs fim ao período regencial brasileiro.Os liberais agitaram o povo, que pressionou o Senado a declarar o jovem Pedro II maior de idade antes de completar 15 anos[1] . Esse ato teve como principal objetivo a transferência de poder para Dom Pedro II para que esse, embora inexperiente, pudesse pôr fim a disputas políticas que abalavam o Brasil mediante sua autoridade. Acreditavam que com a figura do imperador deteriam as revoltas que estavam ocorrendo como: Guerra dos Farrapos, Sabinada,Cabanagem, Revolta dos Malês e Balaiada .Para auxiliar o novo imperador do país, foi instaurado o Ministério da Maioridade, de orientação liberal,conhecido como o Ministério dos Irmãos, pois era formado, entre outros, pelos irmãos Antônio Carlos e Martim Francisco de Andrada e os irmãos Cavalcanti, futuros Viscondes de Albuquerque e de Suassuna.

1. 1823 O PRIMEIRO GOLPE DA NOITE DA AGONIA

Foi um episódio da história do Brasil Império, ocorrido na madrugada de 12 de novembro de 1823, durante a Assembleia Constituinte , no Rio de Janeiro, que estava encarregada de redigir a primeira Constituição do Brasil, no qual D. Pedro I mandou o Exército invadir o plenário da Assembleia Constituinte, que resistiu durante horas mas não conseguiu evitar sua dissolução. Vários deputados foram presos e deportados, entre eles os irmãos Andradas,José Bonifácio (o Patriarca da Independência), Martim Francisco e Antônio Carlos.Em documento assinado pelo Imperador e seus conselheiros em 13 de novembro de 1823, adotou-se, além da expatriação de ex-deputados, outras medidas repressivas — quais sejam, a vigilância policial sigilosa em locais de reunião e a prisão de quem se envolvesse em discussões públicas.Com a dissolução da Assembleia constituinte, D. Pedro I reuniu dez cidadãos de sua inteira confiança, que a portas fechadas redigiram a primeira constituição do Brasil, outorgada em 25 de março de 1824, e que acabou fortalecendo o Poder Moderador.

GLOPT- GLOBALIZAÇÃO DA PATRIA TRABALHADORA DE NOSSA DEMOCRACIA





O nosso jornal é direcionado para uma classe trabalhadora de muita luta por seus direitos sociais e igualitários ,é um meio de comunicação da rede on-line, um produto derivado do conjunto de atividades denominado jornalismo de nossa política dos últimos 150 anos . As características principais de um jornal são: o uso de "informações políticas e analisadas com critérios orientativo aos eleitores da onda vermelha de nosso pais , tendo como legado ( LULA) " – a maior personalidade e qualidade de político justo com as classes mais pobres do nosso Pais ( Brasil ), uma imagem deixada para criarmos novos lideres políticos em nosso estados , na verdade se tornou uma linguagem própria - dentro daquilo que se entende por luta e nunca se render aos desmandos de uma política austera e truculenta.

O nosso jornal é um meio de comunicação em massas - um bem cultural que é consumido pelas massas petistas da onda vermelha,as nossas noticias trazidas em nosso jornais têm conteúdo genérico, ligados a politica , capitalista,econômica,societária e financeira de nosso pais pois publicamos notícias e opiniões que abrangem os mais diversos interesses sociais e políticos.

No entanto, há também outras mídias e jornais com conteúdo transgredindo, nossa classe pobre e nossos políticos defensores de uma ideologia igualitária , temos em nosso jornal da rede ,pessoas especializadas em economia, negócios e jurídicos, entre outros. A periodicidade mais comum do nosso jornal é a diária, mas existem também aqueles com periodicidade semanal, quinzenal e mensal. O nosso jornal é o primeiro – e único que trabalha a noticia por um entendimento político e orientativo, por muito tempo, os principais meios de comunicação so reservaram - espaço de atividade profissional do jornalismo da elite .

A crise econômica de 2008, combinada com o rápido crescimento de alternativas na internet, gerou uma grande confiança entre o internautas e declínio na publicidade e circulação dos jornais,e mídias de televisões , com vários deles perdendo espaço para os jornalistas da rede que geram mais confiança a nação de brasileiros e reduzindo cada vez mais as audiencias de jornais mundialmente , uma exceção é o Brasil no qual a audiência nas redes de comunicação tiveram aumento de 42% a partir de 2010.


Adicionar legenda


BOLSONARO!!! A CRISE ECONÔMICA AMERICANA CHEGANDO DE DRONE NO MUNDO

A CRISE AMERICANA A GRANDE MARMOTA DE UMA  CRISE IMOBILIÁRIA DE 2008! Com o Golpe Financeiro no Setor imobiliário ,uma vez mais economia...