segunda-feira, 19 de novembro de 2018

BOLSONARO!!! A CRISE ECONÔMICA AMERICANA CHEGANDO DE DRONE NO MUNDO

A CRISE AMERICANA A GRANDE MARMOTA DE UMA  CRISE IMOBILIÁRIA DE 2008!
Com o Golpe Financeiro no Setor imobiliário ,uma vez mais economia em operação, é hora de começar a se preocupar com o próximo acidente econômico mundial.
 
Dez anos após o início da Grande Recessão, é importante entender que a raiz real do colapso  imobiliário não foi uma crise bancária.
  • Foi o crescente desequilíbrio entre os gastos do consumidor e a produção total - causado por salários estagnados e pelo aumento da desigualdade social.
 O Brasil está a caminho deste colapso e já e visível para todos os brasileiros com este sistema Neoliberal Capitalista de Bolsonaro.
 
  • Acredito que você quer pagar para ver?
Se não quer pagar para ver, só lhe resta uma opção a Ação Popular Constituinte para derrubar Bolsonaro e o nosso judiciário.


Desculpe entregar a notícia, mas é hora de se preocupar com o próximo acidente. A combinação de salários estagnados com a maioria dos ganhos econômicos indo para o topo está mais uma vez colocando em risco a economia. A maioria dos americanos ainda vive à sombra da Grande Recessão que começou em dezembro de 2007 e terminou oficialmente em junho de 2009. Mais empregos, com certeza. Mas eles não viram nenhum aumento em seus salários, ajustado pela inflação.
  •  Muitos estão em pior situação devido aos crescentes custos de moradia, saúde e educação. E o valor de quaisquer ativos que eles possuam é menor do que em 2007. O que sugere que estamos nos inclinando para o mesmo tipo de acidente que sofremos na época e, possivelmente, até 1929.
Limpe os escombros financeiros daqueles dois acidentes anteriores e você verá que ambos seguiram ampliando os desequilíbrios entre a capacidade de compra da maioria das pessoas e o que eles, como trabalhadores, podiam produzir. Cada um desses desequilíbrios finalmente derrubou a economia. O mesmo desequilíbrio vem crescendo novamente. O 1% mais rico dos americanos agora leva para casa cerca de 20% da renda total e possui mais de 40% da riqueza do país.
O problema subjacente não é que os americanos tenham vivido além de suas possibilidades. É que seus meios não estão acompanhando a economia em crescimento. A maioria dos ganhos foi para o topo. Mas os ricos gastam apenas uma pequena fração do que ganham. A economia depende do gasto das famílias do meio e da classe trabalhadora. No primeiro trimestre deste ano, a dívida das famílias estava em alta de US $ 13,2 trilhões. Quase 80 por cento dos americanos estão vivendo agora salário a salário. Foi semelhante nos anos que antecederam o crash de 2007.
 
Entre 1983 e 2007, a dívida das famílias subiu enquanto a maioria dos ganhos econômicos foi para o topo. Se a maioria das famílias tivesse levado para casa uma parcela maior, eles não precisariam se endividar tanto. Da mesma forma, entre 1913 e 1928, a relação entre a dívida pessoal e a economia nacional total quase dobrou. Após o crash de 1929, o governo inventou novas maneiras de aumentar os salários - previdência social, seguro desemprego, pagamento de horas extras, salário mínimo, a exigência de que os empregadores negociem com sindicatos e, finalmente, um programa de emprego completo chamado Segunda Guerra Mundial.
 
Após o crash de 2007, o governo salvou os bancos e injetou dinheiro suficiente na economia para conter o deslizamento. Mas, além do Affordable Care Act, nada foi feito para resolver o problema subjacente dos salários estagnados. Trump e seus facilitadores republicanos estão agora revertendo os regulamentos estabelecidos para impedir os empréstimos excessivamente arriscados de Wall Street.
Mas as verdadeiras contribuições de Trump para o próximo acidente são sua sabotagem do Affordable Care Act, reversão de pagamento de horas extras, sobrecarga de organização trabalhista, reduções de impostos para corporações e ricos, mas não para a maioria dos trabalhadores, cortes nos programas para os pobres e cortes propostos. no Medicare e Medicaid - todos os quais colocam mais ênfase nos contracheques da maioria dos americanos.
 
Dez anos após o início da Grande Recessão, é importante entender que a raiz real do colapso não foi uma crise bancária. Foi o crescente desequilíbrio entre os gastos do consumidor e a produção total - causado por salários estagnados e pelo aumento da desigualdade. Esse desequilíbrio está de volta. Assista suas carteiras.
 
RESUMO DE UMA ANALISTA AMERICANO
 

 Ele  é o professor de política pública do chanceler da Universidade da Califórnia, em Berkeley, e membro sênior do Centro Blum para Economias em Desenvolvimento.
  • Ele serviu como secretário do trabalho no governo Clinton, para o qual a revista Time o nomeou um dos 10 secretários de gabinete mais eficazes do século XX. Escreveu quinze livros, incluindo os best-sellers Aftershock, O Trabalho das Nações, Além do Indigno e Salvando o Capitalismo.
Ele também é editor da revista The American Prospect, presidente da Common Cause, membro da Academia Americana de Artes e Ciências, e co-criador do premiado documentário "Inequality For All". O mais novo livro de Reich é "O Bem Comum". Ele é co-criador do documentário original da Netflix "Saving Capitalism", que está sendo transmitido agora.

terça-feira, 13 de novembro de 2018

OS NEOLIBERAIS E O CAPITALISMO ESTÃO DEIXANDO VOCÊ POBRE EM FELICIDADE E SATISFAÇÃO COM A VIDA!

Pense nisto!! As  15 maneiras com as quais o capitalismo impede ou limita você de ser feliz. Resumindo esse outro texto, para existir e “funcionar”, ele:
 
 
1. Impõe a você trabalhos que odeia, muitas vezes sob condições degradantes;
2. Encaixota você numa rotina insossa e maçante;
3. Induz você a recorrer ao consumismo, à televisão e a redes sociais cujo clima negativo tem lhe sugado o bem-estar;
4. Nega a você tempos de lazer, meditação, leitura e outras atividades que poderiam lhe trazer prazer e realização fora do campo profissional;
5. Suplanta seus direitos com serviços pagos e caros;
6. “Ensina” você a crer que felicidade é uma distante linha de chegada que só se alcança tornando-se rico;
7. “Ensina” também que a felicidade só se vive em grandes marcos da vida, não nos pequenos momentos e prazeres;
8. “Ensina” que ela deve ser comprada a preços altos e não é um direito de todo ser humano;
9. Condiciona sua felicidade à sua conta bancária e sua posição na hierarquia socioeconômica;
10. Incita a competição e a comparação em detrimento da cooperação e da solidariedade;
11. Causa epidemias de diversos transtornos mentais causadores de uma esmagadora infelicidade, como depressão, ansiedade crônica, estresse crônico e burnout;
12. Degrada o meio ambiente e torna as cidades cada vez mais poluídas e insalubres;
13. Rebaixa bilhões de pessoas a uma miséria na qual praticamente não existe felicidade;
14. Reprime e destrói visões de mundo e culturas que buscam a felicidade por meios diferentes do pregado pelo capitalismo;
15. Legitima governos cuja política maior é impor infelicidade a quem não é rico.
 
Nesse meio, nem os próprios ricos escapam de ter sua felicidade tragada pelo consumismo, pela ganância, pela competitividade predatória e pelo alheamento dos pequenos prazeres da vida.

Nesse contexto, perceba que a busca pela felicidade no capitalismo remete àquela imagem do homem que está montado num cavalo e segura uma vara de pesca com uma cenoura amarrada na ponta do fio de nylon, induzindo o animal a andar sem parar para tentar, em vão, alcançar e comer o vegetal.
 
O homem corresponde ao sistema econômico, e o cavalo, aos trabalhadores que almejam ser felizes mas, por causa das características inerentes a essa ordem vigente, nunca alcançam esse estado de espírito.
 
Não é à toa que males como depressão, estresse crônico, ansiedade generalizada e burnout têm se propagado com muita força em ambientes de trabalho cansativos, sendo cada vez mais os “males do século 21”.

Também merecem destaque os acidentes de trabalho, muito comuns nos, cada vez mais defendidos pelo patronato, trabalhos terceirizados, e as doenças causadas pelos impactos ambientais das atividades capitalistas — em especial a pecuária, a geração de energia suja, os transportes, o setor industrial, a agricultura latifundiária e a geração excessiva de lixo.

Agrava essa situação o fato de que as políticas neoliberais afetam diretamente os investimentos em saúde pública, como foi o caso da famigerada PEC do congelamento das despesas públicas.
 
E as operadoras privadas de saúde não estão dando conta, já que estão perdendo clientes para a crise e o aumento incessante de preços, tendo seus abusos punidos frequentemente pela ANS e muitas delas encerrando as atividades.
 
RESUMO:
 
  • O capitalismo também leva embora o tempo livre dos trabalhadores — e de muitos dos próprios empresários —, obrigando-os em muitos casos a trabalhar mais do que o teto de 44 horas semanais exigido pela CLT.
 

LARGE SOCYETI ?E SUA OBRIGAÇÃO À SOCIEDADE EM GRANDE CORPORAÇÃO SOCIAL!

A OBRIGAÇÃO À SOCIEDADE EM GRANDE CORPORAÇÃO PARA ESTENDER O SOCIAL AOS MAIS POBRES
 

Uma corporação é uma criação de lei como uma associação de pessoas que fazem parte da sociedade na qual ela opera. Suas atividades estão destinadas a impactar a sociedade, pois os valores da sociedade teriam um impacto sobre a corporação. Portanto, eles têm direitos e obrigações mútuos para cumprir em benefício de um ao outro.
Interesse nacional:

Uma empresa (e sua gestão) deve ser comprometida em todas as suas ações para beneficiar o desenvolvimento econômico dos países em que opera e não deve se envolver em qualquer atividade que possa se opor a tal objetivo.
Uma empresa não deve realizar qualquer projeto ou atividade prejudicial ao interesse da nação ou aqueles que terão um impacto adverso sobre o social e ...
  
Com o Safari, você aprende da maneira que aprende melhor. Obtenha acesso ilimitado a vídeos, treinamento on-line ao vivo, caminhos de aprendizado, livros, tutoriais interativos e muito mais. Muito se promete no capitalismo, riqueza e prosperidade para as pessoas.
 
Não é à toa que livros que exaltam a “meritocracia” socioeconômica e o “milagre” do empreendedorismo enriquecedor bombam de vendas nas livrarias. Afinal, é o sonho das pessoas de ascender socialmente por vias “fáceis” que está sendo reforçado.
 
  1. Mas será mesmo que o capitalismo é um caminho de riqueza e felicidade para qualquer pessoa?
  2. Ou na verdade ele está promovendo o contrário disso?
 
CAPITALISMO PARA OS RICOS E SOCIALISMO PARA OS POBRES
 
 
O grande desfecho do embate entre capitalismo e socialismo, não resultou em um triunfo inconteste do livre mercado, como desejariam liberais e lamentam os socialistas.
 
Resultou em um arranjo bizarro, uma política econômica híbrida e intervencionista. Em larga medida, foi criado um capitalismo para os ricos e um socialismo para os pobres.
 
 O Brasil exemplifica o modelo de modo emblemático.
  •   Pense no varejo.
 Rico faz compras em Miami. Pobre fica entre comprar produtos chineses altamente tarifados ou o substituto nacional altamente tributado.
  •  Pense no trabalho.
 Rico trabalha como Pessoa Jurídica. Os encargos trabalhistas não abocanham seu salário. Pobre trabalha amarrado pela CLT. Todo empregado pobre é um trabalhador mais suas circunstâncias fiscais.
  •  Pense nas finanças.
 Rico consegue empréstimos subsidiados pelo BNDES. Pobre tem que pagar juros exorbitantes incluindo os subsídios governamentais.
  • Pense na construção civil.
 Rico consegue licitação de obras com garantia lucros. Os pobres pagam a conta caso o projeto do rico dê errado.
  •  Pense nos impostos.
 A tributação brasileira é regressiva. Ricos pagam proporcionalmente menos tributos que os pobres.
 
Os pobres precisam de mais capitalismo.
  1. Precisam de mais produtividade, para que suas atividades profissionais agreguem mais valor à sociedade.
  2. Precisam de mais empreendedorismo, para que consigam transformar suas ideias em negócios.
  3. Precisam de mais comércio, para que interações econômicas voluntárias sejam mutuamente benéficas.
E precisam, com tudo isso, de mais consumo, para que com mais escolhas tenham melhor padrão de vida.

O que existe no Brasil não é uma divisão entre a classe empresarial e a classe trabalhadora. Há empreendedor que não cresce por causa do
capitalismo de privilégios. Há sindicalista que lucra bem com o socialismo de massa. O Brasil continuará o país dos contrastes enquanto deixarmos que apenas os ricos tenham acesso a um pouco de capitalismo enquanto os pobres ficam de chapéu estendido para o socialismo.
  •  Não é protecionismo, é exclusão comercial
 
A burguesia brasileira se define pela detenção dos meios de locomoção para Miami. Quem mais sofre com as restrições à importação não é o casal do Leblon que faz enxoval na Macy's. É a família pobre que tem que parcelar suas compras em 24 vezes nas Casas Bahia. Se não houvesse tarifa de importação, preços baixos diminuiriam o status social do boné da Gap e da pólo Ralph Lauren.
  
A exclusividade dos artigos importados continua garantida. Dentre os 179 países listados pelo Banco Mundial, o Brasil é o país com menor importação do mundo mensurável:
No grupo dos Brics, por exemplo:-

  • A China tem importações de produtos e serviços de 27% do PIB,
  • A Índia de 30% e a Rússia de 21%.
  • Entre as principais economias da América Latina, o México tem importações correspondentes a 32% do PIB,
  • A Argentina a 20% e a Colômbia a 17%.
 
 No Brasil, as importações somam 13% do PIB.
   
  1. O custo médio de importação no Brasil é de U$2.275 por container.  
  2. A média da América Latina é de U$1.612.
  3. Parte desse custo são tarifas de importação.
 
Mas, de acordo com o Índice de Liberdade Econômica ,uma causa de preocupação são as barreiras não tarifárias e outras medidas protecionistas. São barreiras que o governo poderia retirar sozinho, sem depender de negociação internacional, de rodadas da OMC ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMERCIO, nem precisar pedir licença para o Mercosul.
  •  Os ricos do nosso Brasil gostam de falar de programas de inclusão social. Agora, quando foi que você já ouviu algum político de Brasília ou atriz da Globo falando de projeto de inclusão comercial?
Inclusão social dá a gente rica a oportunidade de visitar a favela. Inclusão comercial dá a gente pobre a oportunidade de visitar o shopping. E o brasileiro rico é nativista:
  • Não gosta de ver índio nem pobre fora de seu habitat natural.
  • Está na hora de libertarmos os pobres do Brasil da condenação do socialismo.  
  • Capitalismo não pode ser apenas um privilégio dos ricos.

Está na hora de levar o capitalismo para os pobres.

 


 


domingo, 11 de novembro de 2018

MATRIX REVOLUTION UMA FICÇÃO OU UMA POSSIVEL REALIDADE?

Sinopse: "Em um futuro próximo, Thomas Anderson (Keanu Reeves), um jovem programador de computador que mora em um cubículo escuro, é atormentado por estranhos pesadelos nos quais encontra-se conectado por cabos e contra sua vontade, em um imenso sistema de computadores do futuro.
 
 
 
 
 
 
 
Em todas essas ocasiões, acorda gritando no exato momento em que os eletrodos estão para penetrar em seu cérebro. À medida que o sonho se repete, Anderson começa a ter dúvidas sobre a realidade. Por meio do encontro com os misteriosos Morpheus (Laurence Fishburne) e Trinity (Carrie-Anne Moss), Thomas descobre que é, assim como outras pessoas, vítima do Matrix, um sistema inteligente e artificial que manipula a mente das pessoas, criando a ilusão de um mundo real enquanto usa os cérebros e corpos dos indivíduos para produzir energia. Morpheus, entretanto, está convencido de que Thomas é Neo, o aguardado messias capaz de enfrentar o Matrix e conduzir as pessoas de volta à realidade e à liberdade."
Fonte da Sinopse acima: http://www.adorocinema.com/filmes/matrix/matrix.asp

"Imagina a maneira como segue o estado da nossa natureza relativamente à instrução e à ignorância. Imagina homens numa morada subterrânea, em forma de caverna, com uma entrada aberta à luz; esses homens estão aí desde a infância, de pernas e pescoço acorrentados, de modo que não podem mexer-se nem ver senão o que está diante deles, pois as correntes os impedem de voltar a cabeça; a luz chega-lhes de uma fogueira acesa numa colina que se ergue por detrás deles; entre o fogo e os prisioneiros passa uma estrada ascendente. Imagina que ao longo dessa estrada está construído um pequeno muro, semelhante às divisórias que os apresentadores de títeres armam diante de si e por cima das quais exibem as suas maravilhas.(..) Imagina agora, ao longo desse pequeno muro, homens que transportam objetos de toda espécie, que o transpõem: estatuetas de homens e animais, de pedra, madeira e loba espécie de matéria; naturalmente, entre esses transportadores, uns falam e outros seguem em silêncio." (1)

Tanto na República quanto em Matrix temos exemplos de seres humanos que quebraram essas correntes e avançaram para a verdade da vida, para ajudar aos outros a alcançar o mesmo fim. Platão apresenta um indivíduo da busca da verdade através de um desejo de conhecimento, enquanto que Matrix dá-nos um "messias" ou um herói para faze-nos livres.

Lançado em 1999 Matrix nos apresenta uma história interessante que faz-nos supor ter bebido de diferentes teorias filosóficas. Primeiramente podemos ver óbvias semelhanças com a Alegoria da Caverna de Platão.

Neo durante toda a sua vida tinha uma lancinante dúvida de que o mundo em torno dele, de algum modo, não é certo. Ele vem em contato com Morfeu, que confirma suas dúvidas. Num futuro distante as máquinas (inteligência artificial) assumiram o controle, e utilizam os seres humanos não mais do que como fontes de energia, distraindo-os, alimentando uma realidade virtual, uma simulação computacional (Matrix), através de uma sonda diretamente no cérebro. Neo é resgatado (desconectado) por Morpheus, e levado em uma nave que viaja abaixo da superfície da Terra - um planeta morto agora, governado por um computador inteligente que mantêm o ser humano resignado ao mundo da realidade virtual , o "Matrix", que é alimentado em seus cérebros.
De acordo com Platão, nosso mundo não é senão as sombras, as formas de manifestações imperfeitas. Os presos da caverna de Platão são cegos da verdadeira realidade como são as pessoas dentro da Matrix.

A Matrix é uma simulação que cria um mundo imaginário onde as pessoas são prisioneiras da realidade, muito mais como a Caverna de Platão. As sombras ou imagens que os presos vêem no muro são tudo que os presos sabem do mundo fora da caverna. Projeções de objetos que não são reais, mas parecem reais porque eles nunca viram o mundo real. Pessoas na Matrix só vêem o que mostram as máquinas, tornando difícil acordar de um sonho contínuo, estão aprisionados em um mundo ilusório e incapazes de se libertar.

No entanto, se um dos presos na caverna torna-se livre, e consegue olhar para o fogo, e alguém disser a ele que o que ele sabia do mundo até agora foi uma ilusão e apenas metade da realidade, ao tentar sair da caverna ele seria agredido pela forte luz do sol, e ficaria intrigado e poderia pensar que o que ele viu antes era mais verdadeiro do que aquilo que foi mostrado a ele agora.

Na verdade, a verdade dói, literalmente, neste caso, porque confinado na escuridão, desde o início, quando se voltou para o fogo, seus olhos não se ajustariam tão rapidamente ao brilho. Na Matrix Neo também enfrenta as mesmas dificuldades, seus olhos e membros estão doloridos e quando ele pergunta a Morfeu o por que, a resposta é "você nunca as usou antes". (Os humanos são utilizados como fontes de energia, como pilhas, pelas máquinas. Um corpo humano é preservado em uma cuba com múltiplos fios ligados à Matrix.)

Para deixar bem claro nas palavras de Sócrates: "E se o forçarem a fixar a luz, os seus olhos não ficarão magoados? Não o desviará a vista para voltar às coisas que pode fitar e não acreditará que estas são realmente mais distintas do que as que se lhe mostram?". (2)

Na Matrix, quando Morfeu mostra a Neo "o deserto do real" e explica a realidade do ano 2199 (aproximadamente, eles próprios não são claros do ano), ele gritou "deixa-me sair deixe-me sair, eu quero sair".

Se alguém arrastar um prisioneiro da caverna rumo a luz do sol ele primeiramente ficaria ofuscado e não seria capaz de ver com clareza tudo de uma vez. Ele iria começar por olhar para as sombras, as imagens e, em seguida, os objetos reais, e por último o próprio sol e assim através da razão e do conhecimento do real. Quando Neo supera o seu desconhecimento e se dá conta de que tudo que ele vê é ilusão, manipulações realizadas por um computador, ele percebe, o seu potencial.

Mas todas as pessoas estão prontas para serem desconectadas? Nem todo mundo está preparado para aceitar a realidade facilmente, o prisioneiro na caverna liberado de suas correntes, sentia que era preferível manter-se em um ambiente familiar do que ir à procura da verdade em um território desconhecido. Igualmente na Matrix Cypher sentiu que Morfeu enganou-o trazendo-o para a realidade, ele está farto de ter negada a simples possibilidade de comida decente. Torna-se então o traidor, na esperança de voltar a Matrix, para o mundo que ele estava familiarizado. Na Matrix, é duvidoso que o mundo real seja melhor do que a simulação computacional. Porque a Matrix pode realmente parecer uma escolha melhor.

O principal tema da Alegoria da Caverna é nos alertar de nossa ignorância, e aquilo que você vê não é real, expresso pelas Matrixes.

A Matrix é em grande parte paralelo à analogia da caverna, iluminação, liberdade, etc. estão subjacentes idéias de ambos.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

O CAPITALISMOS NEOLIBERAL E OS 3 SINAIS DE UM COLAPSO DA ECONOMIA AMERICANA!

Enquanto as ações nas bolsas dos EUA estão em alta e a economia norte-americana passa pelo terceiro período mais longo de expansão na sua história, os especialistas preveem o início de outra crise econômica.
 

Há três sinais do futuro declínio da maior economia do mundo, UM JORNALISMO INVESTIGATIVO nos levou ao portal Russo "Vesti Finance."
  
1. O RENASCIMENTO DAS CHAMADAS OBRIGAÇÕES SINTÉTICAS DE DÍVIDA COM GARANTIA (CDO, POR EXEMPLO)
Os jogos mais arriscados em Wall Street são realizados com instrumentos financeiros conhecidos como derivados financeiros.
 
Eles receberam esse nome porque eles "derivam" seu valor dos ativos subjacentes nos quais se baseiam. Dependendo do preço do ativo subjacente, os derivados podem gerar grandes ganhos ou enormes perdas.
 
Quando os bancos e instituições financeiras começam a operar com derivados, a situação se torna especialmente perigosa. Foi isso que aconteceu na crise recente: muitos bancos "grandes demais para quebrar" assumiram o risco excessivo com derivados e não conseguiram lidar com as perdas enormes.
 
Agora, depois de quase 10 anos sem usar tais instrumentos financeiros, alguns dos derivados mais destrutivos estão ganhando novamente popularidade. Estes derivados se chamam CDO sintéticos e um dos maiores bancos, o Citigroup, encabeça o seu retorno a Wall Street. Segundo o Vesti.Finance, isso pode provocar uma nova crise.
  
2. PADRÕES MAIS BAIXOS NOS CRÉDITOS HIPOTECÁRIOS
Quando os bancos emprestam dinheiro às pessoas que não podem pagar, sempre acontece alguma coisa má. Por que é que os bancos realizam essa concessão imprudente de créditos? Há duas razões para isso. A primeira é a baixa demanda por créditos. A segunda é a grande concorrência entre os bancos.
 
Os preços da habitação em todo o país estão muito inflacionados. Segundo os dados do índice norte-americano Case-Shiller de preços da habitação, de fato, eles superam os níveis da bolha imobiliária de 2008. Isso significa que os credores estão baixando os critérios e concedem mais créditos hipotecários, o que levará a mais uma bolha no mercado.

 3. ÍNDICE DE ARRANHA-CÉUS
O índice de arranha-céus do "Banco Barclays" recolheu os dados dos últimos 100 anos e examinou os bons históricos nos principais projetos de construção comercial (principalmente relacionados com a construção de arranha-céus) e sua tendência de preceder as recessões econômicas.
  •  O índice mostra uma forte ligação entre a construção de arranha-céus e as quedas fortes no mercado, desde a última grande recessão de origem da crise global de 2008, preços de imóveis perdem força e indicam sinais de problemas e até mesmo a depressão de 1873.
 Os analistas que trabalham com esse índice creem que as condições correspondentes estão de volta, porque as grandes cidades da China, Índia, Arábia Saudita e EUA planejam iniciar mais uma ronda de construção dos arranha-céus mais altos na história.

 
RESUMO DAS APLICABILIDADES AMERICANAS NO EXTERIOR
 
O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, já afirmou sobre as negociações nucleares do Irã em Viena, desde 2015 , pois bem, está briga por esta energia nucelar, está levando os Estados Unidos a perder mercado e investir pesado externamente para se salvar economicamente em suas bases internas,a famosa centralização econômica republicana.
A opção está aberta para Trump aumentar as apostas e punir a China através de sanções ou outros meios, mas mesmo ele provavelmente não tem o apetite para abrir uma guerra econômica em uma segunda frente.
  • Isto já esta ocorrendo com Brasil sendo sancionado pelos países do oriente médio, como esta fazendo o Egito sancionou a exportação de carnes dos produtores Brasileiros , isto irá acarretar a economia interna levando o país a inflar gerando inflação e juros ainda mais altos.
 
A mesma consideração se aplica à Índia de Narendra Modi, que enfureceu os EUA ao continuar comprando petróleo iraniano.
  • Será que Trump realmente quer transformar a Índia em um inimigo?

Tudo isso significa que a administração Trump cometeu  um erro de cálculo épico. Trump acha que ele pode levar a comunidade internacional com ele enquanto embarca em sua guerra econômica contra o Irã.
  • Ele não pode - e isso significa perigo mortal para os EUA. Trump está jogando por apostas muito altas; se ele perder, muito do poder global dos EUA entrará em colapso.
 
ENFRAQUECIMENTO DO MÚSCULO FINANCEIRO

Isso ocorre porque, nas últimas décadas, os sucessivos presidentes americanos usaram o status de moeda de reserva do dólar americano como arma para isolar os inimigos do país e fazer valer sua vontade. Deste modo, conseguiu atacar o terror em seus inimigos e recompensar aliados.
 
Esse músculo financeiro tem sido uma ferramenta muito mais potente do que o poderio militar. Se Trump falhar em sua guerra econômica contra o Irã - e eu acredito que ele irá - sinalizará ao mundo que o dólar não pode mais ser usado como uma arma da política externa.
 
LEMBRETE DO PASSADO
 
Sessenta anos atrás, a humilhação da Grã-Bretanha em relação à Suez marcou o momento em que não puderam mais exercer sua força em todo o Oriente Médio. Se Trump falhar no Irã, o grito vai circular nas regiões da região onde os EUA são um tigre de papel.
 
Portanto, veríamos o fim da hegemonia global dos EUA e o surgimento de áreas econômicas rivais, com poder e alcance para operar independentemente da pressão econômica dos EUA.
 
Analisando os fatos políticos e econômicos ,os países que se aliaram com Estados Unidos e mantem relações afetivas economicamente, também serão afetados , inclusive os países que não tem reservas de moeda internacional !

 
 
 
 
 
 

 
 

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

O QUE É O JORNALISMO? ELE É OPOSIÇÃO. O RESTO É ARMAZÉM DE SECOS E MOLHADOS.

No momento mais decisivo da história da República, a imprensa NÃO está vigilante como deveria.
 
Resultado de imagem para jornalismo politico
  
Pelo fato de que quase todos os políticos mentem — e omitem —, sempre se deve desconfiar deles. E os mais desconfiados deveriam ser os jornalistas.

Mas, analisando a imprensa brasileira de hoje, chegamos à conclusão que a balança pende bem mais para o lado dos poderosos do que para o lado dos inconformados.
  • Não se iluda.
A engrenagem continuará girando para esmagar a verdade. A propaganda governamental é um tipo de mensalão da imprensa.
  • Pense bem: a quem interessa encobrir os fatos?
Gente mal-intencionada possui ligações por toda a parte, inclusive na imprensa.
A pretexto de divulgar as suas realizações, concretas ou não, ministérios, secretarias e estatais gastam bilhões para comprar consciências e promover políticos.
Você precisa ficar atento aos bastidores da política, ao que acontece nas entrelinhas, ao que os poderosos estão tramando.
  • É aí que a verdade se esconde.
Dependendo da habilidade do candidato eleito, o Brasil corre o risco de incorrer no fracasso dos últimos anos, por boicotes como aconteceu nos governos de Dilma Russef..
Sabemos que não é esse futuro que você quer para sua família, e não quero paras as nossas também.
  • Mas não conte com o velho modelo de imprensa para ser a sua voz.
Em geral, ela tem interesses próprios, que não são claros. Por causa dessa falta de clareza, somos levados a deduzir que a imprensa jamais vai entrar numa briga com cachorro grande.
  • Entre as redações e os poderosos, a retribuição de gentilezas é bem mais comum do que você imagina.
 A inércia convém ao velho modelo de imprensa e dos políticos. Em alguns casos, é questão de sobrevivência. O governo gasta verbas suntuosas de publicidade (leia-se dinheiro do contribuinte) em grandes jornais e revistas.
 
Não raro, empresas estatais ocupam anúncios de página dupla ou contracapa, que são os espaços mais caros da mídia impressa.
Fora a publicidade explícita, há o caso de pesquisas e publicações que, demonstravam uma sede muito grande em falar de Lula como candidato à Presidência para satisfazer a sua audiência e vendagens de revistas.
 
Sabe-se que Lula é inocente no caso do tríplex e outros processos , na qual transformaram, doações e palestras em propina (é apenas um exercício de raciocínio…),mas as pessoas acreditaram na festa da direita extremista , condenados em segunda instância não podem concorrer as eleições, mas a lei não é para todos.
 
Está na Lei da Ficha Limpa, sancionada, quem diria, pelo governo Lula em 2010.
Fica uma pergunta a quem eles querem enganar?
 
Na verdade eles querem ganhar tempo para Jair Messias Bolsonaro assumir e implantar sua escravatura, não deu certo ele irá renunciar, porque ficara mais bonito para um candidato que fez o diabo para se eleger!
  • Se todos querem manipulá-lo, aprenda a se blindar.
 
Omitir, na minha analise , também é uma forma de manipulação.

Embora você busque sempre as melhores informações, está quase impossível ter acesso à notícia completa, com uma interpretação contextualizada e isenta de vieses o suficiente para balizar as suas decisões.
  • Seja qual for o partido, o parlamentar ou o político corrupto da vez, você precisa de um conteúdo capaz de expor a verdade com clareza.
A imprensa no Brasil está acomodada, ao contrário dos políticos desonestos que não param de inventar expedientes para benefício próprio.
 
Mas agora você pode se colocar um passo adiante.Finalmente terá conhecimento do que ocorre de fato, baseado em provas textuais.Terá ajuda para nortear seus rumos, seja qual for o resultado destas ou de outras eleições.
  •  Terá uma visão independente sobre política que o represente à altura.
Queremos que você conheça um refúgio seguro, uma ilha de independência no jornalismo, a única forma é buscar a verdade dos fatos, para não se manipulado! 
 

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

BOLSONARO PROJETO NEOLIBERAL!!! ALEC & DIREITO DOS TRABALHADORES!

Agenda Legislativa do ALEC sobre os Direitos dos Trabalhadores! O que muitos não sabem é que Jair Messias Bolsonaro buscou fonte nos projetos americanos de 1985 do governo Ronald Reagan!

Todo projeto Neoliberal de Jair Messias Bolsonaro, tem embasamento dentro dos projetos de leis direcionados aos funcionários públicos Americanos expandido para funcionários do Setor Privado Brasileiro!
Não se trata de ser Esquerdista ou Direitista  , mas de olharmos a nossa nação Brasileira , devemos ser nacionalistas nas leis trabalhistas, porque muitos que votaram neste politico votaram opor causa de seus discursos de ódio ao PT e a Esquerda!
Talvez com tempo estes jovens começarão a entender quando perceberem que não tem mais direitos trabalhistas!
Porque votar pela capa do livro como fizeram , não somente em Presidente, mas em Deputados Estaduais, Deputados Federais, Senadores e Governadores nos Estados apenas pelo ódio gerado pela mídia jornalística e pelas Igrejas Evangélicas!

Vejamos maiores detalhes sobre a ALEC
 
No American Legislative Exchange Council , lobistas corporativos e interesses especiais votam como iguais com autoridades eleitas em modelos para mudar a lei, a portas fechadas, sem imprensa ou membros do público autorizados a ver os votos ou deliberações. O ALEC ataca os direitos dos trabalhadores ao impor projetos de lei que restringem os direitos de negociação coletiva, reduz os salários, destrói as pensões públicas, silencia as vozes dos trabalhadores no processo político e dá às empresas proteções legais contra trabalhadores feridos.
Restringindo o direito dos trabalhadores de organizar e negociar contratos


O "
Direito ao Trabalho " do ALEC é um ataque às famílias trabalhadoras em todo o estado, já que este projeto tira a capacidade dos trabalhadores de negociar contratos justos. Por causa disso, um estudo do Instituto de Política Econômica mostra que os salários são 3,2% (US $ 1.500) mais baixos nos chamados estados de "direito ao trabalho" do que nos estados de livre negociação.

  • O " Ato de Transparência na Negociação dos Empregados Públicos " do ALEC tem o objetivo de prejudicar a posição de negociação dos sindicatos do setor público durante as negociações do contrato, abrindo essas negociações ao escrutínio público.

A "
Lei de Reforma dos Direitos dos Funcionários
" da ALEC limita os fluxos de receita para os sindicatos de funcionários públicos e impõe novas cargas de relatórios sobre as atividades sindicais. É um dos muitos projetos anti-sindicais do ALEC que impõem novos ônus e dificultam a manutenção de um sindicato.

A
Lei de Liberdade dos Funcionários Públicos
da ALEC enfraquece os sindicatos do setor público ao permitir que o governo contorne o sindicato e contrate funcionários não-sindicalizados, proíbe deduções na folha de pagamento dos sindicatos e proíbe que os sindicatos negociem contratos que exijam que o sindicato negocie em nome de todas as obras.
  • A Lei de Política de Dedução da Folha de Pagamento de Empregadores Públicos " da ALEC é um ataque a todos os trabalhadores públicos e sindicatos públicos, pois é um dos vários modelos ALEC que proíbe a dedução de folha de pagamento de contribuições de filiação por empregadores públicos.

"Alec
Proibição de Negative Check-off Act " e " proibição das deduções Compensation Act
" tornar mais difícil para os sindicatos para coletar dívidas.
Baixando Salários.

O "
Public Pay Equity Act
" do ALEC é uma forma de reduzir ou limitar a remuneração dos funcionários públicos estabelecendo um teto anual que limita a remuneração dos funcionários públicos à mesma mudança ocorrida no último ano no setor privado.
  • A " Lei de Preempção do Mandato Salarial Viver " do ALEC permite que os estados impeçam que suas cidades e condados estabeleçam salários mínimos que excedam aqueles exigidos pelas leis estaduais ou federais.
A ALEC produziu vários modelos que se opõem às leis do salário mínimo, incluindo a " Lei de Revogação de Salário Inicial (Mínima) ", " Resolução em Oposição a Qualquer Aumento no Salário Inicial (Mínimo) " e " Resolução de Aumentos de Oposição no Salário Mínimo CPI ".

O "
Ato de Revogação de Salários Prevalentes
" da ALEC revoga os requisitos salariais prevalecentes do estado, que são projetados para garantir que os trabalhos de qualidade sejam feitos em projetos públicos e ajudam a manter os padrões salariais na indústria da construção.

Silenciando Vozes do Trabalhador no Processo Político

O ALEC tenta limitar a capacidade dos trabalhadores de participar do processo político por meio de sindicatos com vários modelos, incluindo o "
Ato de Proteção ao Pagamento ", " Lei de Contribuições Voluntárias " e " Ato de Reforma do Fundo Político
".
Tirando Benefícios Previdenciários
  • A Lei de Aposentadoria Portátil dos Trabalhadores Públicos (PRO) e a Lei de Reforma Previdenciária de Contribuição Definida da ALEC visam à eliminação dos planos de pensão de benefício definido para funcionários públicos, que protegem os aposentados. 
    Siding Com Corporações e Contra Trabalhadores Feridos

O "
Noneconomic Damage Awards Act
" do ALEC limita os danos não econômicos apenas ao tempo em que o reclamante viveu, em oposição ao tempo que ele ou ela teria vivido se a lesão não tivesse ocorrido. Assim, limita a responsabilidade de uma corporação por ferir ou matar um trabalhador, mesmo se um júri tivesse determinado que uma quantia maior fosse justificada com base nos fatos particulares do caso.

A "
Resolução de Apoio à Preservação de Limites Razoáveis ​​sobre Ações de Morte Maligna" do ALEC tenta interromper os esforços para permitir que um júri indenize a família de uma vítima por todos os danos causados ​​pela corporação, limitando os danos a possíveis ganhos e despesas médicas. custos.
 
Além disso, a resolução tenta impedir que os júris compensem a família por consequências emocionais da perda de seus pais, cônjuge ou filhos.

Vamos ver durante quanto este politico e seus sucessores irão continuar defendendo estes políticos Neoliberais?

Assim que o ódio passar destas pessoas será como opio das religiões evangélicas uma hora passa e as vistas voltam a enxergar e os ouvidos voltarão a ouvir!

 

BOLSONARO!!! A CRISE ECONÔMICA AMERICANA CHEGANDO DE DRONE NO MUNDO

A CRISE AMERICANA A GRANDE MARMOTA DE UMA  CRISE IMOBILIÁRIA DE 2008! Com o Golpe Financeiro no Setor imobiliário ,uma vez mais economia...